Fazer a transição como Designer Gráfico para UI Designer é um desafio interessante para todos que realmente tenham vontade de o fazer, e é algo que tem acontecido bastante nos últimos anos, uns porque começaram a ver a área de UI com mais interesse, outros porque simplesmente detectaram que o mercado neste momento procura mais UI Designers que Designers Gráficos.

Esta transição foi feita por mim a cerca de 3 anos e meio. Nessa altura, desenvolvia trabalhos como Designer Gráfico Freelancer, e criava pequenos sites com plataformas CMS (WordPress principalmente), mas com o objectivo de obter mais estabilidade financeira, optei por ingressar num emprego full time numa agência nacional que estava à procura de UI Designers.

No inicio não foi fácil, existiam muitas “regras de ouro” que não conhecia, mas felizmente existia um UI Designer nessa empresa que me facilitou a transição, videos no youtube, artigos sobre a área também ajudaram, mas essencialmente estar a trabalhar… é a trabalhar, mesmo que a fazer mal que se aprende.

Para além do UI, também foi importante ter bases de UX, pois eu sou um dos que considera que para se criar um UI minimamente correcto é preciso ter bases de UX.

Essa transição levou-me cerca de 1 ano, até considerar que estava a fazer UI correctamente e segundo os meus padrões de qualidade pessoais. Tive uma boa oportunidade e tempo para aprender, mas nem todos os designer gráficos vão conseguir ter uma oportunidade parecida, pois muitas agencias só dão trabalho a quem tem experiência na área, mas sem trabalhar é difícil ganhar experiência também, right?

Hoje em dia não penso voltar a trabalhar como Designer Gráfico, talvez no futuro as coisas mudem, mas a curto prazo sinto-me bem a fazer UI e fazer a transição foi sem dúvida alguma uma das melhores decisões que tomei.

O que aconselho aos Designers Gráficos que queiram fazer a transição, e se tiverem oportunidades financeiras é tirar uma formação de UI Designer, caso essa possibilidade não esteja ao alcance, sugiro ver videos, tutoriais, artigos e muita inspiração através de referências visuais no Dribbble e Behance, e depois disso deitar mãos a obra, fazer layouts, trabalhar e construir um portfólio, mesmo que seja de projectos que não são reais, mas que provam as noções de UI que a pessoa tem, e que podem abrir portas a uma oportunidade numa empresa que procura um UI Designer júnior.